Avaliação

A avaliação constitui sempre motivo gerenciador de stress. Ninguém gosta de ser avaliado ou pelo menos sente-se pouco confortável com a avaliação, no entanto este será um passo muito importante quando o objectivo é evoluir e desenvolver-se enquanto pessoa ou profissional. Será com os avanços e recuos resultantes da avaliação que se passa à fase seguinte, consolidando conhecimentos e adquirindo outros que permitem avançar numa determinada direcção.
Avaliar é um acto pedagógico que requer uma atitude e um saber específico permitindo desenvolver estratégias adequadas, tendo em conta os contextos de cada um e do grupo no respeito pelos valores de uma pedagogia diferenciada.
Fontes (2007), sob o ponto de vista de uma avaliação formativa, considera a avaliação como uma reflexão crítica sobre todos os momentos e factores que intervêm na formação a fim de determinar quais podem ser, estão sendo ou foram, os resultados da mesma.

No decorrer deste curso de supervisão clínica, a avaliação abordada pela Mestre Calaça Alves na cadeira de Pedagogia, é considerada sob três tipos: A avaliação como uma medida, em que é atribuido um valor quantitativo ou qualitativo que nos permite indagar sobre a quantidade ou qualidade do que foi assimilhado; avaliação como um julgamento profissional, em que em determinada altura eu faço um juízo acerca de algo ou de uma situação para definir estratégias e acções para algo; avaliação como produção de informação pertinente para melhor gestão da acção, é a avaliação ao serviço de qualquer coisa, partir da informação que se tem, avaliá-la de forma a que seja a mais correcta para que a cção seja a mais acertada.
Funções da Avaliação, para a mesma professora a avaliação foi considerada essencialmente sob três funções: função de certificação de competências, é perante uma prova de avaliação de conhecimentos que se adquire certificados que irão comprovar competências numa determinada área; função de selecção nos sistemas de formação, ajuda a seleccionar série de candidatos a algo, determinando a classificação final nessa lista, aceitando ou regeitando candidatos; função pedagógica, ajudando a corrigir o que a avaliação deu por errado, incompleto ou menos correcto;
A avaliação poderá ser somativa ou formativa:

SUMATIVA FORMATIVA
Inventaria os saberes e as comptências adquiridas Contribui para a formação
Mede os efeitos de um programa de Educação/Formação Produz informação relevante que reinveste no processo pedagógico
Realiza-se pontualmente. Utiliza procedimentos standarizados É uma valiação centrada na gestão das aprendizagens

Os slides sobre esta matéria encontram-se disponíveis aqui

Cang.jpg

Gostaria ainda de abordar um assunto que penso ser pertinente quando abordamos a avaliação, o Efeito Rosenthal, que é explicado por muitos autores como um fenómeno resultante das expectativas dos professores ou neste caso supervisores, com profecias de auto realização, ou seja quando existem expectativas positivas em relação a um determinado aluno ou supervisado este terá muito provávelmente um desempenho igulmente positivo sendo que o contrário também se aplica. Verifica-se também que se estas expectativas forem passadas a outros professores os mesmos vão interiorizar as mesmas influenciando e formulando juízos avaliativos em função dessas mesmas ideias pré incutidas. Consulte esquema de Efeito de Rosenthal, disponibilizado pela Professora Mestre Calaça Alves.

Voltar ao Início do Capítulo


Ir para:

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-Share Alike 2.5 License.